Redação Epoca relata que,

Abuso sexual é o segundo maior tipo de agressão contra crianças no Brasil

Agressão que mais afeta brasileiros de até 9 anos é a negligência e o abandono, somando 36% dos registros de violência infantil do Ministério da Saúde.

Abuso sexual é o segundo tipo de violência mais ocorrente entre as crianças de até 9 anos de idade no Brasil. A conclusão é de uma pesquisa inédita do Ministério da Saúde, divulgada nesta terça-feira (22), que usou como base os números do sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA).
Em 2011, registrou-se 14.625 notificações de violência doméstica, sexual, física e outras agressões contra crianças menores de dez anos – o abuso sexual somou 35% dos registros, ficando atrás apenas de negligência e abandono, com 36%. A maior parte das agressões – 64,5% das registradas – ocorreram na residência da criança.
Os principais autores da violência são pais e outros familiares, ou alguém do convívio próximo, como amigos e vizinhos. Em relação ao meio utilizado para agressão, a força corporal/espancamento foi o mais apontado, somando 22,2%.
 
Maiores violências (Foto: Fonte: VIVA SINAN/SVS/MS – 2011 (dados preliminares).)
 
 
 

Relatos de vítima de Abuso Sexual...













video

Abuso Infantil:

abuso infantil, ou maltrato infantil, é o abuso físico e/ou psicológico de uma criança, por parte de seus pais - sejam biológicos ou adotivos - por outro adulto que possui a guarda da criança, ou mesmo por outros adultos próximos à criança (parentes e professores, por exemplo).
O abuso infantil envolve a imperícia, imprudência ou a negligência (estes elementos constituem a definição legal de "culpa") ou um ato praticado com dolo por parte do adulto contra o bem-estar ou a saúde da criança, como alimentação ou abrigo. Também comumente envolve agressões psicológicas como xingamentos ou palavras que causam danos psicológicos à criança, e/ou agressões de caráter físico como espancamento, queimaduras ou abuso sexual (que também causam danos, psicológicos inclusive).
Os motivos do abuso infantil são vários, entre elas, destacam-se a própria ignorância do que é abuso infantil - neste sentido veja-se quão nóvel é a temática no nosso Brasil da síndrome da alienação parental , e, é claro, os resultantes de transtornos vários da mente humana, além de vícios, como o alcoolismo e o uso de drogas ilegais. Muitas vezes, os pais/cuidadores da criança são pobres e/ou possuem pouca educação, e podem tentar impedir o acesso da criança aos serviços médicos necessários, evitando a descoberta do abuso por parte dos médicos.
Super-proteção dos pais em relação à criança é também uma forma abuso infantil, embora à primeira vista não o pareça, por possuir origens totalmente diferentes dos outros tipos de abuso.
 

   Diferentes Manifestações da Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes







Violência doméstica física


Corresponde ao emprego de força física no processo disciplinador de uma criança ou adolescente por parte de seus pais (ou quem exercer tal papel no âmbito familiar como, por exemplo, pais adotivos, padrastos, madrastas). A literatura é muito controvertida em termos de quais atos podem ser considerados violentos: desde a simples palmada no bumbum até agressões com armas brancas e de fogo, com instrumentos (pau, barra de ferro, taco de bilhar, tamancos etc.) e imposição de queimaduras, socos, pontapés. Cada pesquisador tem incluído, em seu estudo, os métodos que considera violentos no processo educacional pais-filhos, embora haja ponderações científicas mais recentes no sentido de que a violência deve se relacionar a qualquer ato disciplinar que atinja o corpo de uma criança ou de um adolescente. Prova desta tendência é o surgimento de legislações que proibiram o emprego de punição corporal, em todas as suas modalidades, na relação pais-filhos (Exemplo: as legislações da Suécia - 1979; Finlândia - 1983; Noruega - 1987; Áustria - 1989).






Violência doméstica psicológica:


A violência psicológica também designada como "tortura psicológica", ocorre quando o adulto constantemente deprecia a criança, bloqueia seus esforços de auto-aceitação, causando-lhe grande sofrimento mental. Ameaças de abandono também podem tornar uma criança medrosa e ansiosa, representando formas de sofrimento psicológico.
Pode-se manifestar como:
  • Isolamento emocional
  • Dificuldades de fala ou linguagem
  • Ausência de contato olho-a-olho
  • Medo (real ou aparente) da vítima em relação ao agressor(es)

 

Violência sexual


Configura-se a violência sexual doméstica como todo ato ou jogo sexual, relação hetero ou homossexual, entre um ou mais adultos e uma criança ou adolescente, tendo por finalidade estimular sexualmente esta criança ou adolescente, ou utilizá-la para obter uma estimulação sexual sobre sua pessoa ou de outra pessoa. Ressalte-se que em ocorrências desse tipo, a criança é sempre vítima e não poderá ser transformada em ré. A intenção do processo de Violência Sexual é sempre o prazer (direto ou indireto) do adulto, sendo que o mecanismo que possibilita a participação da criança é a coerção exercida pelo adulto, coerção esta que tem raízes no padrão adultocêntrico de relações adulto-criança vigente em nossa sociedade... a Violência Sexual Doméstica é uma forma de erosão da infância.



Exploração sexual

exploração sexual é o meio pelo qual o indivíduo obtém lucro financeiro por conta da prostituição de outra pessoa, seja em troca de favores sexuais, incentivo à prostituição,turismo sexual, ou rufianismo.

Exploração Sexual Comercial de Crianças:

  • A criança é tratada como um objeto sexual e como um objeto comercial. 
Inclui a prostituição de crianças: pornografia infantil, o turismo sexual infantil e outras formas de sexo comercial onde uma criança se engaja em atividades sexuais que têm necessidades essenciais satisfeitas, tais como comida, abrigo ou acesso à educação. Ele inclui as formas de sexo comercial, onde o abuso sexual de crianças não é interrompido ou relatado por membros da família, devido aos benefícios obtidos pelo agregado familiar do agressor. Também inclui, potencialmente, casamentos arranjados com crianças com idade inferior a 18 anos, onde a criança não tem livremente consentido o casamento e onde a criança é abusada sexualmente.


 

Formas de exploração sexual

A prostituição de crianças e adolescentes com idade inferior a 18 anos, a pornografia infantil e (muitas vezes relacionados) venda e tráfico de crianças são muitas vezes consideradas como crimes de violência contra crianças. Eles são considerados como formas de economia de exploração semelhante ao trabalho forçado ou escravidão. Tais crianças freqüentemente sofrem danos irreparáveis ​​à sua saúde física e mental. Elas enfrentam a gravidez precoce e o risco de doenças sexualmente transmissíveis, especialmente a AIDS. 
O tráfico de crianças às vezes se sobrepõem. Por um lado, as crianças que são traficadas são frequentemente vítimas de tráfico para fins lucrativos. No entanto, nem todas as crianças traficadas são vítimas de tráfico para esses fins. Além disso, mesmo se algumas das crianças traficadas para outras formas de trabalho são posteriormente abusados ​​sexualmente no trabalho, isso não constitui necessariamente exploração sexual. Por outro lado, de acordo com a Proteção de Vitimas de Trafico, a definição de formas graves de tráfico de pessoas inclui qualquer ato sexual comercial realizada por uma pessoa sob a idade de 18 anos. Isso significa que qualquer menor que é comercialmente explorado sexualmente é definida como uma vítima do tráfico. Também faz parte, mas de forma distinta, abuso infantil, ou mesmo de abuso sexual infantil. Estupro de crianças, por exemplo, não costumam constituir Exploração Sexual nem a violência doméstica.
Embora Exploração Sexual de Crianças seja considerado trabalho infantil, e certamente uma das piores formas de trabalho infantil, em termos de convenções internacionais, legislação, política e em termos programáticos, é muitas vezes tratada como uma forma de abuso ou crime.

 


 

Causas

As causas são complexas e existem padrões diferentes entre os países e regiões. Por exemplo, em algumas áreas, a exploração sexual comercial de crianças está claramente relacionada com estrangeiros de turismo sexual infantil , em outros ele é associado com a demanda local. Na maioria dos países, as meninas representam 80 a 90% das vítimas, embora em alguns lugares predominam os meninos. Como é o caso das outras piores formas de trabalho infantil, pobreza extrema, a possibilidade de rendimentos relativamente elevados, de baixo valor atribuído à educação, a disfunção familiar, uma obrigação cultural para ajudar no sustento da família ou da necessidade de ganhar dinheiro para simplesmente sobreviver são todos fatores que tornam as crianças vulneráveis ​​a Exploração Sexual. A fim de fazer com que uma criança sobreviva, são vendidas no comércio do sexo para fornecer alimentos e abrigo e, em alguns casos o dinheiro para satisfazer o vício de um membro da família. Existem outros fatores não-econômicos que também levam as crianças para exploração sexual comercial. As crianças que estão em maior risco de serem vítimas são aqueles que já sofreram abuso físico ou sexual. Um ambiente familiar de pouca proteção, onde os cuidadores não se importam, estão ausentes ou quando existe um elevado nível de violência ou consumo de álcool ou drogas, induz meninos e meninas a fugir de casa, tornando-se altamente suscetível a abusos. Discriminação por gênero e baixos níveis educacionais de cuidadores também são fatores de risco. As crianças com situação de extrema pobreza e famílias marginalizadas também são vítimas.
Do lado da procura, alguns fatores podem agravar o problema. Por exemplo, os turistas sexuais são uma fonte de demanda para a prostituição. A presença de tropas militares ou de grandes obras públicas também podem criar demanda. Preferências do cliente para as crianças, particularmente no contexto do HIV / SIDA epidemia. Além disso, a expansão da Internet tem facilitado o crescimento da pornografia infantil.
A experiência tem mostrado que certas características sócio-econômicas, tais como densidade populacional, concentração de animação noturna (bares e casas noturnas) e elevados níveis de desemprego, circulação de pessoas, e acesso a estradas, portos ou fronteiras também estão associados à Exploração Infantil.


Prevalência

Embora seja impossível conhecer a verdadeira extensão do problema, dada a sua natureza clandestina, a Organização Internacional do Trabalho (OIT), desenvolveu uma pesquisa para a estimativa do ano 2003, foram 1,8 milhões de crianças exploradas na prostituição ou pornografia em todo o mundo. 
A Pesquisa de Avaliação Rápida, desenvolvido pela OIT Programa Internacional para a Eliminação do Trabalho Infantil (IPEC) e UNICEF , conta com entrevistas e, principalmente, qualitativa e outras técnicas para fornecer uma imagem de uma atividade específica em uma área geográfica limitada. É uma ferramenta muito útil para coletar informações sobre as piores formas de trabalho infantil, como Exploração sexual comercial Infantil.
Conhecimentos gerais oferecidos a uma criança pode diminuir a probabilidade da criança ser explorada na prostituição ou pornografia. Atividades de sensibilização para mudar as atitudes sobre a prostituição infantil, e um sistema de vigilância para evitar que crianças sejam coagidas à prostituição. "

Estatísticas

  1. pesquisas anteriores indicam que entre 30 a 35 por cento de todas as prostitutas do Mekong sub-região da Ásia estão entre 12 e 17 anos de idade.
  2. Tailândia 's Health System Research Institute relata que as crianças na prostituição constituem 40% das prostitutas na Tailândia.
United Nations Children's Fund A ( UNICEF ) e o Fundo de População das Nações Unidas ( UNFPA ) estima que 2 milhões de crianças são exploradas na prostituição ou pornografia a cada ano. Estima-se que 12 mil nepaleses crianças, principalmente meninas, são vítimas de tráfico para exploração sexual e comercial de cada ano, no Nepal ou para bordéis na Índia e outros países. Cerca de 84% das meninas entrevistadas em prostituição na Tanzânia relatou ter sido espancada, estuprada ou torturados por policiais e sungu sungu (guardas da comunidade local). Pelo menos 60% não tinham lugar permanente para viver. Algumas dessas meninas começou como criança os trabalhadores domésticos . A UNICEF estima que existem 60 mil crianças prostitutas, nas Filipinas, e muitos dos 200 prostíbulos no famoso Angeles City para crianças oferecem sexo. [8]
  1. Em El Salvador , um terço das crianças exploradas sexualmente entre 14 e 17 anos são meninos. A idade média para entrar para a prostituição entre todas as crianças entrevistadas foi de 13 anos. Eles trabalhavam em média, cinco dias por semana, embora quase 10% relataram que trabalhou sete dias por semana.
  2. No Vietnã , a pobreza da família, a educação familiar baixa e disfunção familiar foram consideradas as principais causas para a EC. Dezasseis por cento das crianças entrevistadas eram analfabetas, 38% tinham apenas o ensino de nível primário. Sessenta e seis por cento disseram que a escola e as propinas foram além dos meios de suas famílias.
  3. No Sri Lanka , as crianças muitas vezes se tornam a presa de exploradores sexuais através de amigos e parentes. A prevalência de meninos na prostituição aqui está fortemente relacionada ao turismo estrangeiro. 











video
Vídeo muito emociante de uma vítima, vale a pena ver.






ABUSO SEXUAL É CRIME.         DENUNCIE.

DISQUE 100